Notícias

Foodtech sueca lança leite de batata

“Se você comparar o leite de vaca com uma alternativa à base de batata, a pegada climática da segunda é cerca de 75% menor (Foto: DUG/Divulgação)

Em vez de lançar um produto baseado em algum ingrediente que já tem se tornado comum no mercado de leites vegetais, a sueca Veg of Lund decidiu fazer diferente.

“Batatas não precisam de muito para crescer e você pode cultivá-las em qualquer lugar, o que as torna uma cultura super sustentável também em comparação com a soja, amêndoas e aveia”, diz a foodtech em referência ao principal ingrediente do leite DUG.

“Se você comparar o leite de vaca com uma alternativa à base de batata, a pegada climática da segunda é cerca de 75% menor.”

As bebidas que já estão sendo comercializadas em versão original, sem açúcar e barista foram desenvolvidas pela professora Eva Tornberg, da Universidade de Lund.

“Quando criamos o DUG, foi muito importante para nós termos certeza de que o consumidor poderá usá-lo como qualquer outro leite, seja colocando no café, chá ou cozinhando.”

IG e potencial da batata

Para quem se preocupa com o índice glicêmico (IG), que diz respeito à velocidade com que o carboidrato é assimilado pelo organismo, transformando-se em glicose no sangue, a Veg of Lund faz uma observação:

“Ao contrário da crença popular, diferentes tipos de batatas têm valores de índice glicêmico variáveis. Variedades como asterix, gala, inova, cerisa e amadine têm IG menor. Além disso, alguns tipos de batata contêm tantos antioxidantes quanto mirtilos e amoras”, frisa.

As batatas estão ganhando espaço na indústria de alternativas aos alimentos de origem animal. Em abril, a empresa britânica Branston, em parceria com a B-hive Innovations, iniciou sua produção de proteína de batata com o objetivo de atender ao mercado de produtos alimentícios veganos – como as alternativas à carne.

Para obter uma proteína vegetal de alto valor nutricional, a Branston investiu o equivalente a mais de R$ 42 milhões em uma nova instalação no condado de Lincolnshire.

Segundo a Global Market Insights, o mercado de proteína de batata pode ultrapassar um valor global equivalente a mais de R$ 820 milhões até 2027.

Saiba Mais

O leite de batata da DUG está sendo comercializado na Suécia e no Reino Unido.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Preocupação com o meio ambiente não deve ser apenas sobre nós

É importante a conscientização sobre as mudanças climáticas e impactos ambientais associados ou não à…

57 minutos ago

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

21 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

22 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

24 horas ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

1 dia ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago