John Feldmann: “Eu não tinha ideia das atrocidades nos matadouros”

"Cheguei a preferir que as pessoas comessem um bife do que bebessem um copo de leite, porque pelo menos a vaca logo estaria livre de sua vida miserável"

Para John Feldmann, indústria leiteira é a pior para os bovinos (Fotos: Getty/Unparalleled Suffering)

Vocalista e guitarrista da banda de punk rock/ska Goldfinger, John Feldmann, que vendeu mais de 34 milhões de discos, também é conhecido por já ter usado a música como forma de ativismo em defesa dos direitos animais. Um grande exemplo é a composição “Free Me”, ou seja, “Liberte-me”, que faz parte do álbum “Open Your Eyes”, de 2002. No clipe da música, ele mostra imagens registradas em matadouros e critica a exploração de animais para consumo.

“Sou um cara muito ocupado e eu costumava comer muito fast-food. Percebi que eu precisava mudar de vida. Decidi fazer o que meu coração dizia. Hoje me sinto mais vivo espiritualmente e sei que estou fazendo a coisa certa. Pra mim, ficou difícil assistir as pessoas comendo carne”, disse em entrevista ao FamousVeggie.com.

Principal compositor da banda Goldfinger, fundada em Los Angeles em 1994, Feldmann defende que atualmente há muitas opções para vegetarianos e veganos, e a internet pode facilitar muito a pesquisa sobre o que comer ou onde comer. Entre as suas especialidades na cozinha estão tacos, torradas francesas e shakes veganos. “Mesmo tendo filhos, eu ainda tenho as mesmas crenças e tudo o mais”, garantiu a Alex Obert, do Journey of a Frontman, em entrevista publicada em 22 de agosto de 2014.

Depois que tornou-se vegetariano aos 29 anos, Feldmann começou a promover os direitos animais. O músico já declarou em algumas entrevistas que se alguém estiver disposto a ouvi-lo, ele é capaz de passar o dia todo falando sobre a importância dos direitos animais.

“Mas eu não quero que um garoto pague para ver o nosso show e escute apenas as minhas opiniões. Sou um artista, não um político. É apenas uma questão de dizer: ‘É nisso que acredito. Talvez você possa conferir.’ Sinto que um ou dois minutos em um show de uma hora é tempo o suficiente”, afirmou em entrevista à revista Satya.

Influência do filme “Babe”

Algumas pessoas podem dizer que a realidade exibida pelo Goldfinger no clipe de “Free Me” não retrata a realidade de todos os matadouros, e que são casos isolados. Porém, para quem pensa assim, Feldmann tem uma mensagem: “A verdade é que isso acontece em todos os lugares e a todo momento. No final dos meus shows, pelo menos 20 jovens me dizem que vão se tornar vegetarianos ou veganos por causa desse vídeo [Free Me], ou da música, ou da nossa banda. Isso é a coisa mais poderosa de todas que conquistei em minha carreira”, declarou.

Questionado sobre o que o motivou a tornar-se vegetariano e mais tarde vegano, ele contou que a sua transformação começou quando, por meio de informações do Instituto Earth Island, de San Francisco, ele soube dos abusos sofridos pelos golfinhos. “Eu disse: ‘Isso é errado, o que posso fazer?’ Então parei de comer atum de empresas que usavam redes [responsáveis pela morte de golfinhos]. A partir daí, comecei a prestar atenção nos circos, de onde vem o couro, coisas assim”, informou em entrevista à Satya.

A mudança maior veio com “Babe”, de Chris Noonan em parceria com Roger Miller, lançado em 1995. O filme levou John Feldmann a fazer a conexão entre os animais e a origem da comida. “Parei de comer porcos assim que vi o filme. Então todas as outras coisas, como pedaços crocantes de frango que eu mordia, fiquei como: ‘Por que estou comendo isso? O que estou fazendo?’ É tão errado! Naquele tempo, eu não tinha ideia das atrocidades nos matadouros”, justificou.

O impacto foi ainda maior quando descobriu que porcos são espertos como os cães. Depois, ele continuou pesquisando e encontrou muitas filmagens de matadouros. “Aquilo foi horrível. Quanto mais eu buscava, mais eu encontrava. Para mim, a indústria leiteira é a pior. Cheguei a preferir que as pessoas comessem um bife do que bebessem um copo de leite, porque pelo menos a vaca logo estaria livre de sua vida miserável. Com o leite, a situação é outra [o sofrimento é prolongado, já que elas são abatidas somente quando param de produzir leite]”, lamentou à Satya.

Embora tenha sido lançado em 2002, até hoje o vídeo da música “Free Me”, em que Feldmann reage contra a indústria da exploração animal ao dar voz aos animais, continua sendo utilizado por organizações em defesa dos direitos animais e ativistas do mundo todo.

Saiba Mais

John Feldmann nasceu em 29 de junho de 1967 e decidiu começar a tocar guitarra aos 16 anos, quando ouviu “Mommy’s Little Monster”, da banda Social Distortion, fundada pelo vegetariano Mike Ness.

Ele já participou de campanhas da organização Pessoas Pelo Tratamento Ético dos Animais (PETA).

Com o Goldfinger, entre os anos de 1996 e 2020, John Feldmann lançou os álbuns “Goldfinger”, “Hang-Ups”, “Stomping Ground”, “Open Your Eyes”, “Disconnection Notice”,  “Hello Destiny”, “The Knife” e “Never Look Back”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here