Mark Ryden transforma consumo de carne em arte sombria

“Penso em como a carne fazia parte de uma bela criatura viva que se tornou uma ‘substância’ inanimada"

“Há um horror óbvio relacionado à indústria da carne: o sangue, o gore, a carnificina desumana” (Artes: Mark Ryden)

Mark Ryden é um pintor estadunidense que criou uma controversa série de obras que tem a carne como figura central. A ideia de propor reflexões sobre a carne na sociedade humana, mesmo que sem antecipar conclusões, fez com que, em parte, o público se incomodasse com o seu trabalho que une o pitoresco, o onírico, o vívido, o sombrio e o enigmático.

“Penso em como a carne fazia parte de uma bela criatura viva que se tornou uma ‘substância’ inanimada, que tratamos com pouca consideração ou consciência do que já foi uma vez”, diz Ryden sobre uma das razões pelas quais decidiu criar a série “Meat”.

O pintor destaca que somos feitos de energia e é a nossa própria carne que reflete a nossa condição física, a materialidade do existir. Mas mesmo reconhecendo isso, não vemos problema em suprimir a vitalidade de outras espécies. “Uma vez, o artista austríaco Flatz deixou cair uma vaca morta de cima de um helicóptero em Berlim. Um jovem amante dos animais tentou interromper a performance, mas o tribunal rejeitou a queixa porque a vaca tinha o status legal de comida. Em que ponto exato o animal cruza a linha e se torna carne?”, questiona Mark Ryden.

A carne, enquanto um elemento de impacto conceitual em uma obra de arte, há muito tempo desperta a atenção de pintores. Rembrandt, por exemplo, concebeu “O Boi Abatido”, obra-prima que apresenta um grande pedaço de carne pendurado em uma construção de madeira em um quarto sombrio que funciona como matadouro.

O boi foi esfolado e aparece decapitado, sem órgãos e cascos, apenas um oco cadavérico. A carcaça é iluminada por uma fonte de luz que não pode ser identificada pelo espectador. Na porta, há uma mulher com um chapéu branco, e ela parece observar tanto o boi morto quanto o espectador.

“Há um horror óbvio relacionado à indústria da carne: o sangue, o gore, a carnificina desumana. Muitos de nós participamos indiretamente disso com nosso consumo voraz de carne. [A artista vegana] Sue Coe explorou esse cenário primorosamente em seu trabalho”, comenta Ryden.

Embora não seja vegano, o artista reconhece que suas obras podem despertar estranheza ou desconforto em quem consome carne, mas ele afirma que o seu papel não é julgar, mas somente observar. “Seria interessante se as pessoas tivessem que matar um animal para ganhar o direito de comê-lo”, sugere.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here