Categorias: Opinião

Mas e a dor do animal?

Como a dor pode ser uma ausência objetiva, uma isenção de sofrimento, num lugar que é continuidade dum descontentamento cíclico e precedente? (Foto: Aitor Garmendia/Tras Los Muros)

Do lado de fora do matadouro, vi quando o rebanho desceu para não retornar e perguntei-me “o que são dor e morte para um animal que está a caminho de encontrá-las?”

Nas vezes em que compartilhei essa consideração com outros, que a endossam, disseram-me que não há dor; e sobre a morte, nada responderam, porque, como a dor pode ser dissimulada pelo ser humano, vilipendiar o impacto da morte não humana é sofístico.

Mas e a dor do animal? Como a dor pode ser uma ausência objetiva, uma isenção de sofrimento, num lugar que é continuidade dum descontentamento cíclico e precedente? A negação da dor não humana é comumente associada ao processo de degola, quando dizem que o animal atordoado já não sofre.

Isso é discutível e impreciso, porque não há garantia de 100% de supressão de dor. Nunca há, mas quem diz que sim nunca esteve no lugar desses animais e falará como se tivesse vivido a experiência do abate – como se pudesse mensurar com exemplar retidão a exiguidade duma dor que não é sua e que o beneficia.

Então o faz, com mais paroxismo, por conveniência, por interesses econômicos ou de consumo. Bom, consideremos agora que sim, que um animal, de repente, não sente dor nenhuma durante a degola. A dor não vem somente desta.

Ele não sofreu no atordoamento? Não há dor no disparo de dardo cativo, quando sua face ganha expressão medonha e desesperadora e luta para equilibrar-se sobre as patas?

O próprio som que vem do box, de um corpo caindo, sendo privado de existência e subtraído de sua essência, é para mim símbolo de dor, assim como sua face roçando, numa perdição sacramental, pelas paredes móveis ou imóveis. A neutralização de sua força também vem da forçosa manipulação de sua dor.

E as cabeças submersas que recebem choque elétrico em cubas, com corpos em relutância? E a asfixia por gás carbônico? Degola é sangria, e sangria é a garantia do fim, mas e o todo, sua condição pregressa e antepositiva? E a reticência associada ao temor pela dor? Agitações emocionais também não podem ser manifestações de dor?

E a força imposta para que seja enviado ao matadouro? A condição em que é enviado para a morte? O percurso e o cenário que podem impeli-lo à resistência? E animal resoluto é tratado com abraços, carinho? Viagens longas geram prazer ou dor? Calor intenso num estado de amontoamento culmina em alegria ou sofrimento? E o frio? E quando a chuva invade a carroceria?

Já vi chamarem de teimoso um animal criado para consumo que ignorou comandos que levariam ao seu fim. Hesitação também não pode ser forma de anteparo a dor? E o confinamento obrigatório por toda a vida ou por período temporário, não gera dor?

Afastamento e supressão não despertam dor? E os impedimentos sociais, os afastamentos familiares, as coibições, cessações de vínculos? Dirão que o tempo traz esquecimento, mas sendo verdade, o presente não leva ao sofrimento? E se eles esquecem, devemos usar isso a nosso favor para manipulação de suas dores em nosso benefício?

Quem dirá que matadouros são lugares que não aludem a dor? Olhar para um animal e pensar na lâmina que corta seu pescoço como algo indolor é pra mim observação, por conveniência, simplista demais, e mesmo na sua mecanicidade evoca crueldade, vulnerabilidade e imoralidade.

E talvez até mais na sua mecanicidade, porque esse constante aperfeiçoamento que mascara a crudelidade favorece negação, manipulação e anulação do reconhecimento de que há um mal sendo imposto a alguém o tempo todo.

A dor de um animal não humano criado como meio para um fim vem do não ser, do não manifestar, do não compartilhar, do não estar – são fatores cumulativos que envolvem condicionamento e subjugação, que são violências, e você pode ou não reconhecer.

Então falar de dor associada somente à degola, ao sangue vertido que determina o fim da oxigenação cerebral dum animal e garante sua morte é desconsiderar um processo amplo de um viver, para ser produto, que é não viver.

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Preocupação com o meio ambiente não deve ser apenas sobre nós

É importante a conscientização sobre as mudanças climáticas e impactos ambientais associados ou não à…

1 hora ago

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

21 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

23 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

24 horas ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

1 dia ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago