Mata-se um ser vivo por um prazer efêmero

Aquele que se regozija com a morte em benefício do próprio paladar ignora o fato de que a morte também o habita

Os animais têm emoções, sentimentos, e aqueles que colocamos sobre a mesa nunca morrem sorridentes ou satisfeitos em tornarem-se comida (Foto: Jo-Anne McArthur/We Animals)

Quando alguém come um animal, e diz que aquele ser morreu cumprindo o seu papel, eu pergunto: Será que a mãe, o pai, o filho ou a filha daquele animal partilharia da mesma opinião? Se eles nascem com essa “vocação para a morte”, por que então eles e os seus se emocionam, não reconhecem a morte precoce como natural e até mesmo ficam enlutados?

Os animais têm emoções, sentimentos, e aqueles que colocamos sobre a mesa nunca morrem sorridentes ou satisfeitos em tornarem-se comida. Ademais, demonstram dor de maneira bastante óbvia. É triste reconhecer que mata-se um ser vivo senciente por um prazer efêmero, que não ultrapassa minutos.

Aquele que se regozija com a morte em benefício do próprio paladar ignora o fato de que a morte também o habita, já que somos aquilo que fazemos, comemos, pensamos e sentimos. Como podemos almejar a paz enquanto nos alimentamos de morte?

 





DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here