Categorias: Destaques

Por que comer animais?

Foto: Aitor Garmendia/Tras Los Muros

Não parou de comer animais porque perdeu a vontade de comê-los. Mais fácil seria se não gostasse, se a vontade tivesse ido embora para sempre. Não foi o que aconteceu.

Não mesmo. Não sentiu repulsa ao olhar um pedaço de carne pronto para ser mastigado. O que o impede então? Implicação. Sim, resumiu com uma palavra. Não vê nobreza em não comer animais. Porque não é sobre isso.

Apenas entendi que quem não é o que. Por que comer? Viajando por áreas rurais da região implementando sistemas de segurança, costuma olhar aquelas criaturas aos montes e pensa em quem já não está aqui.

Logo mais nenhuma, porque é assim, piscar e matar. Haverá reposição e mais destruição, e todos, hoje, amanhã ou logo depois, a sentirão e quem não está do lado de lá insistirá no não. Cada animal é vítima de um martelo da obliteração, também identificado como imperativo humano – no sentido mais cesarista.

Assim esmagamos vontades, identidades, necessidades. O que é isso? Parte de um chamado processo natural da nossa realidade. Quantos engodos para justificar arbitrariedade.

E quem dirá que é? Em que proporção? Animais no pasto, em pocilgas, engaiolados e confinados não crescem. Eles encolhem, diminuem. Sim, é o que vejo e já não deixo de ver. Vão se afundando e vamos ignorando. Não vemos porque não queremos, foi o que disse.

Assim, aproximam-se de um sepultamento que nunca existirá. Terão sido submetidos a quantas supressões e violações? Do nascimento ao esgotamento. Por que não chamá-las de marteladas? Olharão para o produto, não para a criatura, e verão desenvolvimento, não apoucamento. Quando estiver pronto estará menor do que nunca. Quem reconhecerá?

Voltou para casa observando o desaparecimento dos animais, um esvaziamento coletivo de existências. O que posso dizer? Quem engana-se pelo prazer de fora não vê como está por dentro. Quem sabe um dia…

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

O que é a carne?

O que é a carne? Sempre que falamos em carne é mais comum uma primeira…

18 horas ago

Como a violação sexual de animais pode ser normalizada?

Como a violação sexual de animais pode ser institucionalizada e normalizada? Quando fala-se em “reprodução…

2 dias ago

Por que comemos criaturas de vontades?

Não é difícil olhar para um animal e reconhecê-lo como criatura de vontades, porque seu…

3 dias ago

Quem se importa com o sofrimento dos frangos?

No Brasil, há sempre mais frangos sendo transportados para os matadouros do que bovinos e…

4 dias ago

Brasília: Picnik Festival terá área vegana coordenada mais uma vez pela FALA

Em uma edição especial no mês das tradicionais festas juninas, o Picnik Festival terá novamente…

4 dias ago

SP: VegNice realiza mais uma Festa Junina Vegana

No domingo (26), o bairro da Liberdade, em São Paulo (SP), recebe mais uma Festa…

4 dias ago