Proteína de origem vegetal pode ajudar a reduzir risco de doenças cardiovasculares

A conclusão é de um grupo de pesquisadores da Universidade Médica de Harbin, na China

Foto: Acervo Medical News Today

De acordo com um estudo publicado em maio no Journal of Clinical Endocrinology & Metabolism (Jcem), o consumo de proteína de origem vegetal em vez de proteína de origem animal pode ajudar a reduzir o risco de doenças cardiovasculares.

A conclusão é de um grupo de pesquisadores da Universidade Médica de Harbin, na China, que aponta que optar por proteína de origem vegetal aliada a uma porção adequada de carboidratos de alta qualidade no jantar, por exemplo, já pode ajudar a reduzir o risco de determinadas doenças em 10%.

Em pessoas com doenças cardiovasculares, o risco de insuficiência cardíaca congestiva (ICC) ou derrame pode ser reduzido em até 12% a partir dessa mudança de hábito alimentar.

Tirando a carne do prato

O estudo, que analisou dados de 27.911 participantes da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição realizada na China entre 2003 e 2016, destaca que uma dieta rica em carnes, que inclui versões processadas, açúcares e gorduras saturadas contribui para o aumento dos níveis de colesterol e, consequentemente, amplia o risco de doenças cardiovasculares.

Por outro lado, uma dieta com uma boa quantidade de carboidratos integrais – como grãos e outros vegetais – e uma quantidade bem reduzida de carne já apresenta diferenças significativas na diminuição do risco dessas doenças.

Então se o risco é menor reduzindo o consumo de carne e priorizando mais vegetais, podemos concluir que tirar definitivamente a carne do prato pode proporcionar mais benefícios se fizermos boas escolhas.

Dieta que pode salvar milhões

Vale lembrar que em 2016 um estudo do programa Oxford Martin sobre o Futuro da Alimentação, da Universidade de Oxford, concluiu que boas dietas à base de vegetais podem salvar milhões de pessoas, além de contribuírem para a redução do impacto das mudanças climáticas.

Segundo o Dr. Marco Springmann, que liderou o estudo, o que comemos influencia tanto nossa saúde quanto o meio ambiente global.

“Dietas desequilibradas, como dietas pobres em frutas e vegetais e ricas em carne vermelha e processada, são responsáveis por grandes problemas de saúde na maioria das regiões do mundo. Ao mesmo tempo, o sistema alimentar é responsável por mais de um quarto de todas as emissões de gases de efeito estufa e, portanto, um dos principais motores das mudanças climáticas.”

Para avaliar os impactos na saúde e no meio ambiente, os pesquisadores fizeram projeções de quatro cenários dietéticos diferentes para o ano de 2050. A conclusão foi que uma dieta à base de vegetais tem a maior probabilidade de salvar muitas vidas em menos de 30 anos.

1 COMENTÁRIO

  1. Proteínas de origem vegetal podem sim, e muito, ajudar a reduzir o risco de doenças humanas, além de contribuir para que os animais gozem de excelente saúde, dispensados de morrer para, “supostamente”, nos manter vivos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here