Categorias: Notícias

Mel produzido sem abelhas chega ao mercado no final do ano

MeliBio realizou uma degustação de seu produto em Berkeley, na Califórnia (Foto: Divulgação)

A startup californiana MeliBio, que usa tecnologia proprietária para produzir mel sem abelhas, ofereceu a primeira degustação de seu produto para 100 pessoas no Cell Valley Labs, uma incubadora em Berkeley, conforme comunicado divulgado neste mês de outubro.

O mel chega ao mercado por meio de food service no final de 2021. “A MeliBio foi fundada com a missão de produzir alimentos para ajudar a salvar nosso planeta, acabando com o uso de abelhas na produção de mel e, assim, ajudando a restaurar a sua biodiversidade”, diz o CEO e cofundador Darko Mandich.

Ele acrescenta que os avanços científicos permitiram produzir um dos alimentos favoritos da humanidade sem o uso de animais.

“O mel é um ingrediente encontrado em todas as categorias de produtos, de alimentos a bebidas e itens de higiene pessoal, para os quais a MeliBio agora oferece uma opção à base de vegetais”, garante Mandich.

“Ao levar para o mercado um mel delicioso, nutritivo e verdadeiro feito sem abelhas, estamos moldando nosso presente e futuro de uma forma que seja melhor para as abelhas e para os humanos.”

Investimentos e alcance

A startup cita que o atual sistema de produção de mel é insustentável, e não apenas por gerar grande dependência em relação às abelhas, mas também por expulsar muitas espécies nativas e silvestres de seus habitats.

“Além disso, a cadeia de suprimento global de mel enfrenta dificuldades em acompanhar a demanda, com as recentes colheitas de mel sendo fortemente afetadas pelas mudanças climáticas, causando baixos rendimentos de mel e volatilidade de preços.”

Fundada em 2020, a MeliBio já arrecadou US$ 1,5 milhão em investimentos, e hoje tem atraído investidores não apenas dos EUA, mas também da Europa, Ásia e Austrália.

“Estamos entusiasmados em ter o apoio dos investidores que acreditam no mundo que nossa empresa quer criar. Esse mundo é o lugar onde os alimentos mais saborosos e nutritivos estão ao alcance de todos, mas não ao custo da sustentabilidade do nosso planeta”, reforça Darko Mandich.

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Quanto vale a vida de um animal?

Viu um bezerro caído na estrada. “Foi atropelado?” Parou o carro e desceu. O animal…

4 semanas ago

Uma lâmina serve quanta violência no matadouro?

Ver um animal vivo e pouco depois observá-lo morto causou-lhe mal-estar. Estava ali para testemunhar…

4 semanas ago

Como os porcos vivem pouco

Não faz aniversário. Não passa de meio ano de vida. O que pode ser comemorado…

4 semanas ago

SP: Santuário Filhos de Shanti precisa de doações com urgência

Com sede em Pindamonhangaba (SP), o Santuário de Animais Filhos de Shanti está pedindo ajuda para arrecadar…

4 semanas ago

Mercado de alimentos veganos crescerá 42% até 2025

Um relatório da Business Research Company estima que o mercado de alimentos veganos crescerá 42%…

4 semanas ago

Novilha é enviada para santuário após escapar de matadouro em NY

Uma novilha que escapou este mês de um matadouro da cidade de Nova York foi…

4 semanas ago