Tem sangue no ovo

“Pois é, e acham que o preço do ovo está lá dentro”, disse olhando para uma galinha que não se mexia

Pintura/Ilustração: Avi Nahum/Jane Lewis

Pediu café e alguém ao seu lado pediu um sanduíche com ovos. Havia uma parede de vidro que permitia ver o preparo. Tentou imaginar quantos ovos eram servidos ali em um dia. “E nos outros lugares? Não poucos, é o que posso dizer.”

A clara descia com sua espessa transparência, e logo a gema e um resto de clara. “Por que as pessoas comem o resultado da ovulação da galinha? A clara só existe por inerência biológica, que é proteger o óvulo de uma ave. E esse ritmo de produção que atende à demanda humana não é natural, já que depende da manipulação e domínio do ciclo reprodutivo das galinhas. É apenas a humanidade exercendo mais um poder arbitrário sobre a intimidade alheia.”

Enquanto o jovem ao seu lado no balcão comia o sanduíche, imaginou milhões de galinhas em gaiolas de bateria vivendo para que o que sai de seus corpos seja ingerido por animais de outra espécie.

“Humanos são criaturas de hábitos estranhos. Sempre cheios de apetite por algo que, se não fecundado, é comido, se sim, sai um pinto que, dependendo do sexo, será descartado. Ou, se criado para corte, crescerá e também será comido em 45 dias.”

De repente, recordou seu primo que ficou enojado quando viu sangue no ovo. “Mas você acha que ovos vêm de onde e como resultado de que tipo de ação? É algo que sai de dentro dum animal e como parte do seu ciclo de vida que envolve sangue. Tudo que a humanidade come que venha de animais é parte de seus ciclos – até o momento em que o produto então é o fim de suas vidas.”

O rapaz fez expressão de desgosto e pegou outro ovo. “Coloque um ovo para fecundar e verá o que acontece. Toda surpresa em relação aos ovos é desnecessária quando se conhece a realidade.”

De volta ao balcão, viu mais ovos sendo preparados, pagou pelo café e ficou alguns minutos lá fora. Um caminhão estacionou no pátio e ele perguntou ao motorista o que havia ali.

“Galinha pra abate, carne mais ou menos.” Volteou o veículo, observando o silêncio e o encolhimento das aves – pareciam exaustas. “Pois é, e acham que o preço do ovo está lá dentro”, disse olhando para uma galinha que não se mexia.

 
Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 




DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here