Notícias

Plant-based: Urban Farmcy quer acabar com estigma da comida congelada

Segundo Tobias Chanan, a Urban Farmcy utiliza pequenos cristais de gelo que não causam danos às estruturas celulares dos alimentos e mantêm a textura, o sabor e os nutrientes das refeições (Foto: Divulgação)

Quando voltou de suas viagens de estudos, o empresário Tobias Chanan resolveu empreender em uma área que sempre foi uma paixão pessoal, a gastronomia. Assim, há quatro anos surgiu a Urban Farmcy, restaurante plant-based que conquistou até consumidores de carne.

“A Urban não surgiu para criar restrições. Pelo contrário, foi criada para incluir. A intenção desde o início era encontrar uma forma de entregar para as pessoas uma comida limpa, nutritiva e ambientalmente responsável capaz de levar mais plantas para a mesa das pessoas”, afirma o sócio-fundador da Urban Farmcy, Tobias Chanan.

Com pedidos nas redes sociais por operações em quatro cantos do país, a marca viu a necessidade de dar um passo importante e transformou suas tradicionais receitas em produtos que prometem mudar a percepção das pessoas sobre as comidas congeladas.

Pensando nisso, a empresa acaba de lançar sua loja on-line, um ambiente criado para levar a experiência Urban para além da operação física, onde o público irá encontrar os pratos de maior sucesso do restaurante e as Farmcy Marmitas, refeições congeladas e individuais que visam reproduzir a nova experiência na casa das pessoas.

Além dos produtos, o site disponibiliza informações sobre a marca, impactos ao meio ambiente, conteúdo sobre alimentos à base de vegetais e, ainda, detalhes sobre os produtores que cultivam os ingredientes.

Mudando o estigma de comida ruim

“É preciso levar mais do que conveniência para as pessoas. A comida congelada carrega o rótulo de comida ruim, sem gosto e, principalmente, de comida nociva à saúde. E não podemos aceitar isso em pleno 2021. A Urban tem na comida um meio de transformação. Escolhemos fazer marmitas pelo simples fato de este ser o meio mais simples e despretensioso de levar comida pronta até a casa das pessoas”, aponta Chanan.

Entre os diferenciais da Farmcy Marmitas, segundo o empresário, está o processo de congelamento utilizado nos produtos, o fresh freeze process. “É um método realizado em uma hora com a utilização de pequenos cristais de gelo que não causam danos às estruturas celulares dos alimentos e mantêm a textura, o sabor e os nutrientes das refeições”, complementa.

As sugestões de estreia disponíveis no site foram selecionadas de acordo com os pratos mais pedidos no antigo restaurante, entre os quais Almôndegas ao Pomodoro, Plant Thai, Strognoff de Cogumelos e Escondidinho, elaborados com ingredientes livres de aditivos sintéticos.

Para somar ao cardápio de lançamento, a Urban incluiu outros dois produtos plant meat já conhecidos, o Farmcy Burger e a Farmcy Almôndega, além de kombuchas e chocolates. A previsão é oferecer um extenso cardápio de produtos com mais de 80 opções de refeições congeladas até o final do ano.

“Mais que comida congelada”

“Nossa refeição é mais que uma comida congelada, pelo sabor e pela integridade de ingredientes e nutrientes, pela textura e pelo fato de ser capaz de mudar a impressão das pessoas sobre a temida comida pronta. A carne é praticamente um ponto de partida para a escolha do cardápio e a Urban quer quebrar essa lógica”, define.

Tudo que é comercializado pela empresa deve seguir à risca os seus mandamentos – é o que garante Tobias Chanan. Isso significa ser livre de aditivos sintéticos, ter alto valor nutricional, ser feito unicamente com ingredientes de origem não animal e levar prazer e experiência para as pessoas.

E para chegar até aqui, os fundadores fizeram uma jornada pelo mundo, visitaram dezenas de países, do berço à vanguarda da alimentação, e estudaram diferentes técnicas de preparo, em busca de métodos que preservem a energia vital do alimento e com o máximo sabor. Na visão da Urban Farmcy, as atuais foodtechs reeditam valores antigos e ultrapassados, os quais tiveram origem com a massificação dos produtos industrializados na década de 70, quando não priorizam a saúde no drive de desenvolvimento de produtos.

“É totalmente viável desenvolver e expandir produtos que substituam alimentos de origem animal e ultraprocessados nocivos à nossa saúde. Nosso propósito é estar presente em todos os momentos de consumo para estimular o prazer pelo alimento íntegro e saudável. Em 2020, a comida pronta e saudável já representa no Brasil o mercado de 100 bilhões de reais e a expectativa é que até 2025 esse número cresça, pelo menos, 27%”, assegura.

Menor impacto ambiental

A unidade de produção da Urban Farmcy está localizada no Instituto Caldeira, em Porto Alegre, um dos principais símbolos do movimento pela inovação e empreendedorismo da cidade. A partir do lançamento da loja virtual, a marca assume o desafio de gerar R$50 milhões de renda para agricultura familiar e o consumo de quatro mil toneladas de alimentos limpos e locais nos próximos cinco anos.

Ao longo de quatro anos, soma 221 toneladas de alimento limpo consumido e dois milhões de renda gerada para produtores orgânicos. Neste período foram mais de 67 toneladas de resíduos tratados e alimentos compostados, inclusive embalagens.

“A empresa nasceu para gerar impactos e um dos pilares fundamentais da marca é a agricultura familiar, onde atua de forma direta com agricultores, expandindo e ampliando a diversidade de espécies cultivadas.”

De acordo com Tobias, a Urban Farmcy deve atuar na cadeia de ponta a ponta, do cultivo ao consumo. “Passando pela utilização de energia renovável na fabricação dos produtos, até a oferta de um produto com responsabilidade socioambiental. Em julho, abrimos uma usina de energia limpa, que vai corresponder a 30% da energia que abastece a nossa indústria”, destaca.

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Quanto vale a vida de um animal?

Viu um bezerro caído na estrada. “Foi atropelado?” Parou o carro e desceu. O animal…

3 semanas ago

Uma lâmina serve quanta violência no matadouro?

Ver um animal vivo e pouco depois observá-lo morto causou-lhe mal-estar. Estava ali para testemunhar…

3 semanas ago

Como os porcos vivem pouco

Não faz aniversário. Não passa de meio ano de vida. O que pode ser comemorado…

3 semanas ago

SP: Santuário Filhos de Shanti precisa de doações com urgência

Com sede em Pindamonhangaba (SP), o Santuário de Animais Filhos de Shanti está pedindo ajuda para arrecadar…

3 semanas ago

Mercado de alimentos veganos crescerá 42% até 2025

Um relatório da Business Research Company estima que o mercado de alimentos veganos crescerá 42%…

3 semanas ago

Novilha é enviada para santuário após escapar de matadouro em NY

Uma novilha que escapou este mês de um matadouro da cidade de Nova York foi…

3 semanas ago