Vegetarianos apresentam níveis mais baixos de marcadores de doenças

"Pessoas que seguem uma dieta vegetariana tendem a consumir mais vegetais que contêm mais nutrientes, fibras e outros compostos potencialmente benéficos"

Foto: iStock

Um estudo apresentado este mês no Congresso Europeu Sobre Obesidade (ECO) aponta que uma dieta vegetariana pode garantir níveis mais baixos de marcadores de doenças.

A conclusão é resultado de um trabalho coordenado pelo Dr. Carlos Celis-Morales, da pesquisador da Universidade de Glasgow. Com o apoio de uma equipe, ele analisou dados de mais de 166 mil pessoas de 37 a 73 anos que não fizeram nenhuma grande mudança na alimentação nos últimos cinco anos.

“Além de não comer carne vermelha e processada, que tem sido associada a doenças cardíacas e alguns tipos de câncer, as pessoas que seguem uma dieta vegetariana tendem a consumir mais vegetais, frutas e oleaginosas que contêm mais nutrientes, fibras e outros compostos potencialmente benéficos”, avalia Celis-Morales.

“Essas diferenças nutricionais podem ajudar a explicar por que os vegetarianos parecem ter níveis mais baixos de marcadores de doenças que podem levar a danos celulares e doenças crônicas.”

“Nossas descobertas oferecem um verdadeiro campo de reflexão”

O Dr. Carlos Celis-Morales e sua equipe examinaram a associação da dieta de vegetarianos e de pessoas que consomem carne com 19 biomarcadores de sangue e urina relacionados ao diabetes, doenças cardiovasculares, câncer, problemas no fígado, saúde óssea e articular, além da função renal. Os vegetarianos tiveram melhores resultados em relação a 13 biomarcadores.

“Nossas descobertas oferecem um verdadeiro campo de reflexão”, disse o Dr. Carlos Celis-Morales, acrescentando que biomarcadores podem ter efeitos bons e ruins para a saúde, promovendo ou prevenindo câncer, doenças cardiovasculares e relacionadas à idade e outras condições crônicas.

Os vegetarianos levam vantagem em relação a biomarcadores de colesterol total, colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL), apolipoproteína A (ligado a doenças cardiovasculares), apolipoproteína B (também ligado a doenças cardiovasculares), gama-glutamil transferase (GGT), alanina aminotransferase (AST), marcadores de função hepática que indicam inflamação ou dano às células, fator de crescimento semelhante à insulina (IGF-1), urato, proteína total e creatinina.

Por outro lado, o pesquisador Dr. Carlos Celis-Morales ressalta que as evidências dos benefícios metabólicos associados a ser vegetariano não são bem claros, e que nenhuma conclusão pode ser tirada sobre causa e efeito diretos.

Clique aqui para ter acesso ao release encaminhado pelo pesquisador Dr. Carlos Celis-Morales e publicado na Science Daily.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here