Vitela de Natal

Arrastaram menino da carroceria e jogaram na gaiola do curral improvisado - era pra abater de manhã

Acervo: Animal Equality

Arrastaram menino da carroceria e jogaram na gaiola do curral improvisado – era pra abater de manhã. Com Natal que chegava virou presente e “ganhou mais tempo”. Mal conseguia ficar de pé – dizem que faltou mais colostro. Caía sobre as patas trançadas e mugia baixinho – faltava força, natural abstenção de vigor.

Duas manchinhas brancas no topo da cabeça imitavam par de olhos. Achavam graça do bezerro. Colateral da produção leiteira. Macho é prejuízo – repetiam coçando bolsos. “Pelo menos vai fazer alguém feliz.” Ficava sozinho a maior parte do tempo – a exceção era coelho que também trazia imitação no topo da cabeça.

Um enxergava os olhos falsos do outro, mas ninguém reconhecia ou percebia. Coelho o visitava todo dia bem cedo. Depois dos entreolhos, cheiravam-se e dormiam juntos. Virou costume; de tarde também. Já não mugia de madrugada como antes. Quando deitava, coelho mais parecia pedaço do bezerro que faltava.

Cor flocos, manchinha – tudo igual na gaiola. Chegou a hora. Tentou enterrar patas no chão. Em vão. Já é véspera de Natal. Alguém tem que ceder, vai ser. Pupilas dilatadas. Marreta, um golpe pra deitar e outro pra ceifar. Coelho ainda agarrado ao topo da cabeça do bezerro. Oito olhos apagados. Onde morre um, morrem dois.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here