YouTube anuncia proibição de vídeos de estímulo à crueldade contra animais

Decisão é consequência de uma campanha da organização de bem-estar animal Lady Freethinker

Vídeo identificado pela ONG como de falso resgate de animais (Imagem: Lady Freethinker/YouTube/Reprodução)

Como resultado de uma campanha da organização de bem-estar animal Lady Freethinker, o YouTube anunciou que implementará uma proibição contra vídeos de estímulo à crueldade contra animais.

A cobrança surgiu após a entidade realizar uma pesquisa em 2020, identificando que 2053 vídeos que envolvem tortura em cativeiro, consumo de animais vivos, rinhas, atropelamentos propositais e falsos resgates (em que animais são colocados intencionalmente em situação de perigo) geraram 1,2 bilhão de visualizações. Os 146 canais que atraem público a partir desse tipo de conteúdo somam 30,8 milhões de inscritos.

“Estamos muito contentes que o YouTube não permitirá mais esses vídeos bárbaros em sua plataforma. Essa proibição demorou e pedimos ao YouTube que compartilhe publicamente os detalhes de sua nova política e o prazo para implementação”, disse a fundadora e presidente da Lady Freethinker, Nina Jackel, em comunicado oficial.

“Se implementada com firmeza…”

“Se esta política for implementada e aplicada com firmeza, será uma verdadeira vitória para os animais e para os muitos ativistas e investigadores que expuseram a verdade sobre esses vídeos cruéis e perigosos.”

Segundo a Lady Freethinker, muitos dos milhares de vídeos que mostram a crueldade contra os animais violam os próprios padrões da comunidade do YouTube. Além disso, infringem leis de bem-estar animal de diversos países.

“Há vídeos de animais silvestres sofrendo para diversão humana, como macacos acorrentados em cativeiro”, lamenta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here