10 documentários para assistir no Dia Mundial do Veganismo

Uma lista para repensar nossas relações de consumo e a forma como nos relacionamos com os animais e com o meio ambiente

Em comemoração ao Dia Mundial do Veganismo, a VEGAZETA selecionou dez documentários de curta, média e longa-metragem que convidam o espectador a repensar nossas relações de consumo e a forma como nos relacionamos com os animais e com o meio ambiente. CONFIRA A LISTA:

Terráqueos (Earthlings)

Lançado em 2005, “Terráqueos – Faça a Conexão”, é um documentário escrito, dirigido e produzido pelo ambientalista estadunidense Shaun Monson que mostra até que ponto a humanidade chegou em relação à exploração animal.

Pesado e chocante, o filme apresenta a realidade nua e crua por trás da produção de carnes, laticínios, roupas e calçados. Também traz informações e imagens impactantes sobre espécies usadas como entretenimento e cobaias em laboratórios farmacêuticos e da indústria da beleza.

Do início ao fim, o documentário, baseado em uma grande compilação de imagens de dezenas de autores, é narrado pelo ator vegano Joaquin Phoenix, o que ajudou muito na popularização do filme, assim como a trilha sonora assinada pelo compositor Moby, também vegano.

Cowspiracy

Lançado em 2014, “Cowspiracy – O Segredo da Sustentabilidade” é um documentário de Kip Andersen e Keegan Kuhn que mostra de que forma a pecuária tem contribuído com o aquecimento global, inclusive sendo apontada como a principal responsável pela destruição da Amazônia.

Segundo Cowspiracy, enquanto um vegano requer 0,6 hectare de terra por ano para se alimentar, um ovolactovegetariano precisa do triplo e uma pessoa com dieta onívora necessita de uma área 18 vezes maior que essa.

Isto porque pode-se produzir 16 mil quilos de vegetais em 0,6 hectare e apenas 170 quilos de carne na mesma área. Uma “dieta vegana” também produz a metade de CO2 [dióxido de carbono] de uma dieta [tipicamente] onívora. E ainda gasta só 9% de combustíveis fósseis, 8% de água e 5% do solo.

Dominion

Lançado em 2018, o documentário “Dominion”, que tem aproximadamente duas horas de duração, explora seis facetas primárias da relação humana com os animais – animais de companhia, vida selvagem, pesquisa científica, entretenimento, vestuário e alimentos.

O filme se propõe a questionar a moralidade e a validade do nosso domínio sobre o reino animal. “Dominion”, que conta com produção de Shaun Monson, do documentário “Terráqueos”, conta com imagens bastantes atuais e registradas a partir de investigações e uso de drones.

Todos os recursos arrecadados com o filme são destinados à Aussie Farms, organização em defesa dos direitos animais que se dedica a expor a crueldade da agricultura animal.

Glass Walls (Paredes de Vidro)

“Se os matadouros tivessem paredes de vidro, todos seriam vegetarianos” se tornou uma das citações mais populares entre vegetarianos e veganos desde 2009. A frase foi dita pelo compositor britânico Paul McCartney no documentário “Glass Walls” ou “Paredes de Vidro”.

Logo no início, McCartney relata que animais criados para atender a demanda da indústria passam por muitas situações de sofrimento. Exemplo é a realidade de frangos e perus, apontados como os animais que mais sofrem nesse mercado.

Ele narra que não é incomum encontrar aves vivendo amontoadas aos milhares em espaços imundos, convivendo inclusive com os próprios excrementos. Logo no início, McCartney relata que animais criados para atender a demanda da indústria passam por muitas situações de sofrimento. Exemplo é a realidade de frangos e perus, apontados como os animais que mais sofrem nesse mercado.

Especismo (Speciesism)

Embora especistas sejam popularmente conhecidos como pessoas que convivem com animais domésticos, mas se alimentam de outros animais, de acordo com o documentário “Speciesism”, lançado por Mark Devries em 2013, há um consenso mais criterioso entre pesquisadores, biólogos, filósofos, professores de direito, advogados e escritores que defendem os direitos dos animais.

Eles apontam que especismo é toda e qualquer forma de exclusão baseada na espécie, quando outros seres são privados de fazerem parte de uma comunidade moral.“Quando você pega essa ideia de que eu posso fazer isso com você, então vou fazê-lo, o auge dessa forma de superioridade, ‘um tipo de racismo’, é o especismo”, afirma Bruce Friedrich, do documentário Meet Your Meat”, que já foi visto por milhões de pessoas desde 2002.

De acordo com o famoso biólogo evolutivo Richard Dawkins, professor da Universidade Oxford, a maneira como damos tratamento especial aos humanos em relação ao aborto é uma reafirmação do especismo. “Muitas pessoas pensam que é assassinato abortar um feto humano, e esse pensamento dificilmente é partilhado quando falamos em matar vacas.”

Sob a Pata do Boi

Dirigido por Marcio Isensee e Sá, “Sob a Pata do Boi” é um documentário brasileiro de média-metragem que mostra o impacto da pecuária no desmatamento da Amazônia. De acordo com informações do filme, a Amazônia tem pelo menos 85 milhões de cabeças de gado, três para cada habitante humano. Entre alguns temas abordados pelo documentário estão “o boi clandestino”, “invasão biológica”, “indústria da carne” e “bancada ruralista”.

A obra informa que na década de 1970 a floresta estava intacta e a quantidade de gado equivalia a um décimo do rebanho da atualidade. Hoje encontramos uma área que pode ser comparada à extensão territorial da França desmatada. Desse total, 66% transformada em pasto.

“Sob a Pata do Boi” revela que essa transformação no cenário amazônico foi incentivada por políticos que motivaram a chegada de milhares de fazendeiros de outras partes do país. “A pecuária tornou-se bandeira econômica e cultural da Amazônia, no processo, elegendo poderosos políticos para defender a atividade”, denuncia.

O Fim da Carne (The End of Meat)

O documentário alemão “O Fim da Carne”, de Marc Pierschel, discute um futuro sem carne sob diversas perspectivas e mostra que, embora o mundo não seja vegano, as transformações estão acontecendo. Cada vez mais pessoas estão abraçando a redução ou a completa abstenção do consumo de alimentos de origem animal.

“Hoje temos supermercados veganos e quase todos os fabricantes de alimentos estão adicionando e rotulando opções veganas. É esse o começo do fim da carne? Estamos nos aproximando de um ponto de virada no relacionamento humano-animal?”, questiona Marc Pierschel.

“O Fim da Carne” apresenta um breve relato da história do movimento vegano na Alemanha, visita a primeira cidade vegetariana da Índia, conhece a famosa porca Esther e levanta questões sobre o futuro dos animais na sociedade.

73 Cows

Premiado em fevereiro no BAFTA, na Inglaterra, o documentário de curta-metragem “73 Cows”, de Alex Lockwood, conta a história de Jay Wilde, um fazendeiro de Derbyshire que atuava no ramo de produção de leite e carne.

Um dia, incomodado com a ideia de ter que enviar as vacas para o matadouro, já que esse é o destino comum quando cai a produção de leite, Wilde decidiu mudar a sua vida e a dos animais que viviam em sua propriedade.

Em vez de enviá-las para a morte, Wilde as encaminhou para um santuário, iniciando uma nova jornada de respeito e compaixão pelos animais. No filme com duração de 15 minutos, Wilde rompe uma tradição familiar e passa a investir na produção orgânica de vegetais com o apoio da organização The Vegan Society.

The Last Pig

O documentário “The Last Pig”, de Allison Argo, conta a história do pecuarista estadunidense Bob Comis, que abandonou a criação de animais para consumo. O título do filme é uma referência ao último porco que Comis enviou para o abate – uma experiência que, segundo ele, vai ficar marcada para sempre em sua memória.

A obra, que tem um caráter lírico e filosófico, apresenta os conflitos de um homem imerso na realidade da exploração animal, que chega a um ponto de sua vida em que criar animais para enviá-los ao abate deixa de ser uma opção e apenas um negócio.

Na realidade, se torna um pesadelo em que a mercantilização da vida passa a ser encarada como um terror por quem já não vê nada além de violência e culpa na própria atividade profissional. Bob Comis diz que é assombrado pelos milhares de animais que enviou para a morte, e que mesmo tendo desistido dessa vida, a realidade pregressa não se desvanece.

M6NTHS

O premiado documentário holandês de curta-metragem “M6NTHS”, de Eline Helena Schellekens, conta a história de um leitão criado para consumo. Sem narração, no filme com 12 minutos de duração a intenção de Eline é se aproximar do ponto de vista do leitão.

A idealizadora oferece uma perspectiva única e sensível sobre a vida dos animais que passam suas curtas vidas em confinamento até serem mortos e reduzidos a bacon e pedaços de carne.

No ano passado, o filme foi premiado no Panda Awards, conhecido como o “Oscar” dos filmes sobre a vida selvagem. “A cada ano, cerca de 10 milhões de porcas e leitões são criados em confinamento só no Reino Unido e na União Europeia”, lamenta Eline Schellekens.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here