A luta pelos animais depende do contato que mantemos com a realidade

As vitórias provam que o ativismo cidadão pode ter sucesso mesmo contra instituições científicas de prestígio, corporações multinacionais e empecilhos burocráticos

Henry Spira: “Precisamos ser realistas sobre onde nossa sociedade está hoje e para onde ela pode ser persuadida a ir amanhã” (Acervo: Animal Ethics)

Basicamente, a estratégia para todas as lutas pela liberdade ou contra as injustiças são semelhantes. O outro lado tem o poder, mas nós temos a justiça do nosso lado e a justiça pode mobilizar pessoas. Precisamos aproveitar toda a energia e experiência disponíveis. Precisamos elaborar nossas metas de curto prazo para que possamos alcançar as pessoas e eventualmente trazer mudanças fundamentais.

As vitórias que alcançamos provam que o ativismo cidadão pode ter sucesso mesmo contra instituições científicas de prestígio, corporações multinacionais e empecilhos burocráticos. Existem várias razões pelas quais tivemos sucesso onde outros grupos em defesa dos animais falharam. Nós escolhemos nossos alvos com cuidado.

Eles eram pequenos o suficiente, a princípio, para termos uma chance de sucesso, apesar dos nossos recursos muito limitados. Mas, ao mesmo tempo, os primeiros pequenos alvos serviram como vitórias simbólicas que levariam a objetivos maiores. Fomos meticulosos ao documentar os abusos contra os quais estávamos protestando, para que não pudéssemos ser acusados ​​de falhar na promoção dos fatos. Credibilidade é o recurso mais precioso que qualquer campanha contra a injustiça pode ter.

Nós também tentamos acentuar o aspecto positivo. Muitas pessoas percebem o movimento contra experiências com animais como negativo e anticientífico. Teria sido um erro ignorar essas percepções, por mais erradas que sejam. Por isso, oferecemos opções realistas em substituição ao teste de Draize [por irritação ocular ou cutânea] e ao teste de dose letal mediana (LD50) [em animais].

Para apoiar nossa afirmação de que essas opções eram realistas, nos baseamos nas opiniões de cientistas e médicos fora do movimento antivivissecção. Estávamos sempre dizendo que há uma alternativa melhor, que a ciência sem experimentação animal é mais elegante, menos cara e mais precisa e confiável.

Evitamos ser pessoalmente hostis com os nossos adversários. Antes de tomarmos posições públicas, sempre pedíamos que falassem conosco. Quando eles se recusavam, como fizeram os funcionários do Museu Americano de História Natural, isso nos deu a vantagem, porque poderíamos nos apresentar como os razoáveis ​​enquanto eles eram vistos como aqueles que se recusaram a discutir o assunto. E quando as abordagens colaborativas funcionam, elas podem fornecer um caminho muito rápido de mudanças.

Nós não nos concentramos nas intenções ou motivos das pessoas. Se outros grupos nos apoiassem a fim de mostrar aos seus membros que eles estavam participando das vitórias que ganhamos, deixávamos que eles levassem tanto crédito quanto quisessem. Para nós, o importante era ganhar apoio e mostrar que nossa coalizão tinha uma base ampla.

Outrossim, se uma grande corporação reduz o número de animais que usa, não é importante se ela faz isso porque se preocupa ou não com os animais ou se está procurando evitar publicidade desfavorável. Os animais que são poupados do sofrimento estarão em melhor situação de qualquer forma.

É igualmente um erro afirmar que os cientistas e pesquisadores sentem prazer em torturar animais. O público não acredita nisso e não é possível obter apoio de ninguém da comunidade científica afirmando isso. Nosso objetivo não é subjugar nossos adversários. Nós não estamos em uma viagem egoica.

Queremos conquistar nossos adversários para que eles se tornem nossos aliados. Não vamos conseguir isso se começarmos a vilipendiá-los. Estamos interessados ​​em fazer com que as coisas aconteçam, não em irritar as pessoas ao nosso redor. É uma boa política colocar-se na posição daqueles que você está tentando mudar: se estivéssemos no lugar deles, o que nos faria querer mudar?

Ao lidar com as questões, uma de cada vez, isolamos nossos oponentes em vez de nós mesmos. Poucos cientistas estavam preparados para apoiar os experimentos com gatos no Museu de História Natural, e grande parte do establishment da pesquisa estava preparada para concordar que experimentos com cosméticos que envolvem a geração de dor aos animais deveriam acabar. Contra um establishment científico que falou a uma só voz, talvez não tenhamos prevalecido.

Mas quando começamos algo, não desistimos até terminarmos. Qualquer organização pode ignorar um único protesto ou demonstração. É a tenacidade que compensa e estimula uma resposta positiva. Qualquer desistência, a menos que seja em resposta a uma concessão realmente importante, reduz a questão aos negócios, como de costume, e nada acontece. E um histórico de vitórias conquistadas é um bem inestimável quando a próxima luta é iniciada.

Nós nunca criamos um grupo formal próprio, mas nos concentramos em reunir pessoas para fazer as coisas. E não vemos o sistema legislativo como um alvo importante. A legislação não substitui a ação direta contra as instituições e corporações envolvidas no abuso de animais.

Se eu tivesse que resumir todos esses pontos em uma única frase, seria: manter contato com a realidade. Sonhar com o quão bom seria se a experimentação animal fosse totalmente abolida não faz nada para aproximar esse dia, e não faz nada para ajudar os animais que sofrerão amanhã e todos os outros dias enquanto continuamos a sonhar.

Precisamos ser realistas sobre onde nossa sociedade está hoje e para onde ela pode ser persuadida a ir amanhã. Para libertar alguns animais hoje, e ter alguma chance de libertar todos os animais eventualmente, precisamos estudar as realidades de forma imparcial como um guia para a ação. Quem lucra com o abuso de animais? Quem detém as alavancas do poder?

Para lutar e garantir sucesso, precisamos de prioridades, planos, organização eficaz, união, imaginação, tenacidade e comprometimento. Precisamos também lembrar as palavras de Frederick Douglass, o líder negro do movimento pela abolição da escravidão:

“Se não há luta, não há progresso. Aqueles que professam favorecer a liberdade e, ainda assim, preterem a agitação, são pessoas que querem chuva sem trovões e relâmpagos. Eles querem o oceano sem o rugido de suas muitas águas. O poder não concede nada sem demanda. Nunca concedeu nem nunca concederá.”

Henry Spira (1927-1998) em “Fighting to Win”, publicado em 1º de janeiro de 1985. Considerado um dos ativistas mais engajados no movimento pelos direitos animais nos Estados Unidos no século 20, Spira ficou famoso principalmente por suas campanhas bem-sucedidas contra a realização de testes em animais. Mas a sua história com a defesa animal começou por acaso, quando ele leu um artigo escrito pelo filósofo australiano Peter Singer, publicado pelo New York Review of Books em 1973.

1 COMENTÁRIO

  1. Uma perspectiva interessante. No fundo só diz que precisamos convencer nossos amigos e estes por sua vez estarão “infiltrados” em todos os segmentos fazendo suas respectivas partes.
    Não sei pq não assinei a newsletter antes, seu conteúdo é sempre bom.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here