A última vez que matou porco

“Parece olho de gente. Se tapar todo o resto, quem diz que é diferente?” Não era abatedor novo, já tinha experiência, e afirma que não sabe explicar o que mudou

Deixou de matar animais quando olhou pela primeira vez com atenção nos olhos de um porco (Foto: Andrew Skowron)

Deixou de matar animais quando olhou pela primeira vez com atenção nos olhos de um porco. “Parece olho de gente. Se tapar todo o resto, quem diz que é diferente?” Não era abatedor novo, já tinha experiência, e afirma que não sabe explicar o que mudou.

“A gente acha que vai embrutecendo, aceitando mais, e vai mesmo, mas quem sabe onde isso vai dar? Você pode duvidar, só que um dia tudo pode mudar.” Conta que porco é o animal que mais reage ao abate, é barulhento, e lá dentro fica atrapalhado.

Não sabe como escapar, como não sofrer, como não morrer. A dor começa cedo, bem antes do choque, da insensibilização, da degola. É uma trajetória. Será que na hora não sente nada mesmo? “O que você acha?” É mais fácil acreditar que sim. Ou no querer?

“Não sou porco. Você é porco? Quem sabe é o porco. Mas a gente pode interpretar pela reação do corpo.” Quando viu o animal balançando pendurado, soltando um guincho fraco, misturado a um gemido reprimido, esqueceu do corpo e mirou só o olho.

“Olhei primeiro um e depois o outro, então os dois. Cada um como se quisesse saltar pra um lado diferente. Já viu quando o olho faz isso? Falam que só na hora da morte.” Até que se encontraram.

“Olhava pra mim, já não fazia barulho nem tremia. Parecia rendido. E o sangue descia. Foi estranho porque pela primeira vez pareceu pior, não sei se pior ou mais real.” Por quê? “Já ouviu falar que o silêncio aumenta a culpa? Quando chega, se chega, vem de maneira que não se imagina. E diante de você, um par de olhos que não dá pra esquecer.”

Era um sangue tão vermelho e vívido que escorria – como se fosse uma vida líquida capaz de se transformar em qualquer coisa. Em um desenho animado talvez permitissem que escorresse e voltasse à forma original longe daquele lugar. Seria possível sim. Por que não?

Interpretação e ilusão. Não há mais aquela vida, a carne já foi vendida e, quem comeu, por que pensar sobre o que aconteceu? Um par de olhos no prato talvez fizesse diferença, não pra todo mundo, mas por que não acreditar que mudaria alguma coisa? “E mudaria…”

Gosta do trabalho da Vegazeta? Colabore realizando uma doação de qualquer valor clicando no botão abaixo: 




DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here