Pesquisa revela que muitos consumidores desconhecem a real violência por trás da carne

Sete de cada dez consumidores que participaram do estudo se mostraram chocados

Consumidores classificaram a criação de animais para consumo no sistema industrial como “perturbadora”, “errada” e chocante” (Foto: Jo-Anne McArthur/We Animals)

Uma pesquisa concluída recentemente pela organização World Animal Protection (WAP) revelou que muitos consumidores desconhecem a real violência por trás da carne. No estudo realizado pela WAP, dez mil pessoas de dez países foram convidadas a assistirem registros em vídeo sobre a realidade dos animais criados para consumo. Ou seja, desde o processo de engorda até o momento do abate.

Ao final, sete de cada dez consumidores que participaram do estudo se mostraram chocados. Eles classificaram a criação de animais para consumo no sistema industrial como “perturbadora”, “errada” e chocante”. A pesquisa apresentou aos participantes detalhes da vida de animais que ainda muito cedo são enviados para os frigoríficos – como práticas em que porcas são mantidas em gaiolas, uso de antibióticos; e cortes de rabo, dentes e castração – às vezes sem anestesia.

Se por um lado, a pesquisa serviu para atender a interesses consideravelmente “bem-estaristas” em oposição à “violência excessiva” contra os animais criados em regime de confinamento, exigindo “melhor tratamento” para os animais. Por outro, também serviu como alerta para o fato de que é muito comum as pessoas desconhecerem e não se preocuparem, de fato, com a cadeia de violência e crueldade contra seres não humanos criados para fins de consumo.

Como a maior parte da população mundial não tem condições de comprar os produtos de origem animal considerados “orgânicos” ou “menos antiéticos” por dois fatores – preço e área insuficiente para esse tipo de criação em escala mundial, o predomínio desse sistema é simplesmente um reflexo natural da alta demanda do mercado consumidor. Ou seja, quanto mais pessoas consumindo animais, maiores índices de violência e crueldade contra seres não humanos; já que a quantidade sempre favorece a permissividade.

Sob a perspectiva da defesa dos direitos animais, certamente, isso ajuda a endossar a ideia de que a mais promissora solução para a redução da violência contra seres de outras espécies que transformamos em alimentos e produtos é uma só – a abstenção desse consumo, não a sua redução ocasional ou sazonal; e menos ainda a busca de alternativas classificadas como “menos inclementes”, já que estas são, claramente, benéfica aos seres humanos (porque ameniza o peso na consciência), mas não aos não humanos que terão o mesmo implacável destino – a morte precoce.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here