Criança atacada por golfinho: animal não é entretenimento

Na semana passada, uma garotinha de dez anos foi atacada por dois golfinhos no parque aquático Dolphin Discovery, de Cancún, no México

Golfinho usado como entretenimento no Resort World Sentosa, em Singapura (Foto: WAP)

Na semana passada, uma garotinha de dez anos foi atacada por dois golfinhos no parque aquático Dolphin Discovery, de Cancún, no México. Como consequência, a menina ganhou marcas de mordidas, hematomas e alguns cortes. E o que isso nos ensina? Basicamente que animal não é entretenimento e isso também é irresponsabilidade parental.

Então alguém pode alegar que os parques promovem atividades como “nade com os golfinhos” destacando que se trata de um ambiente “seguro e familiar”. Bom, claro que parques promovem positivamente essa imagem, considerando que essas atividades trazem retorno financeiro.

No entanto, o que muita gente ignora é que golfinhos são animais marinhos que necessitam de liberdade e muito espaço para expressar sua inerência biológica, e uma vida em cativeiro, ainda que o animal tenha nascido em confinamento, não altera tal fato.

Um relatório publicado este ano pela organização World Animal Protection destaca que na natureza golfinhos nadam de 50 a 225 km por dia, e mergulham centenas de metros de profundidade, o que é impossível em parques e aquários, e como consequência isso afeta a saúde dos animais – além de favorecer estresse extremo, comportamentos neuróticos e níveis anormais de agressividade.

Cientes dessas consequências, há treinadores de golfinhos que não entram na água sem cilindros de emergência que possam garantir pelo menos cinco minutos de oxigenação – caso os golfinhos os ataquem.

“É no mínimo contraditório que treinadores corram o risco de serem arrastados para debaixo d’água pelos animais, dada a atmosfera ‘segura e familiar’ que delfinários se esforçam para retratar”, critica a WAP.

E acrescenta: “Os turistas, especialmente os que amam animais, acabam aderindo a esse tipo de atração com boas intenções, sem perceber que estão sustentando empresas que lucram com tamanho risco e crueldade.”

Em junho, o Canadá aprovou na Câmara dos Comuns, o Projeto de Lei S-203, que proíbe que golfinhos e baleias sejam mantidos em cativeiro com fins de entretenimento. O projeto foi endossado por uma coalização de mais de 20 cientistas marinhos e organizações que atuam em defesa dos animais.

Também foi este ano que o parque aquático Dolphinaris Arizona, em Scottsdale (AZ), nos Estados Unidos, informou por meio de um comunicado assinado pelo diretor de marketing da OdySea, Ran Kniskinsky, que decidiram investir em entretenimento sem animais. A decisão veio depois que o golfinho Kai faleceu em fevereiro e o Dolphinaris decidiu fechar temporariamente suas portas.

Kai foi o quarto golfinho a morrer desde a inauguração do parque aquático em 2016. Nesse período, quatro golfinhos ainda viviam no Dolphinaris, mas foram enviados para um santuário de animais marinhos nas Ilhas Virgens.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here