Produtos

Futuro do leite pode estar nos vegetais

Entre as principais matérias-primas que devem favorecer esse crescimento estão soja, amêndoas, coco, aveia, arroz e cânhamo (Foto: Shutterstock)

Uma pesquisa concluída e divulgada no final de junho pela empresa de pesquisa MarketsandMarkets aponta um cenário promissor para o mercado global de alternativas aos laticínios.

Como consequência da demanda, a previsão para 2025 é de que o setor movimente cerca de R$ 196 bilhões em leites, queijos, iogurtes, sorvetes e cremes vegetais.

Entre as principais matérias-primas que devem favorecer esse crescimento estão soja, amêndoas, coco, aveia, arroz e cânhamo. “O iogurte é o segmento que mais cresce entre as alternativas aos laticínios”, frisa a pesquisa.

Mercado deve movimentar R$ 204 bilhões até 2026

Em 2019, a Hexa Research divulgou que outro fator de diferenciação é que os iogurtes veganos lançados recentemente no mercado contam com 25% menos açúcar e ingredientes não transgênicos.

A Data Bridge Research já havia publicado que os iogurtes não lácteos têm condições de superar os iogurtes lácteos a partir de 2025, pelo menos na América do Norte. A DBMR considera em proporcionalidade a queda no consumo de laticínios e a procura por alternativas baseadas em vegetais.

O relatório da MarketsandMarkets aponta que cada vez mais chegam ao mercado produtos não lácteos livres de colesterol, enriquecidos com cálcio e vitamina D; e reforçando uma posição de produto mais saudável em comparação com as versões lácteas mais tradicionais – o que pode agradar de veganos a intolerantes à lactose.

Outra pesquisa, da Renub, sustenta que até 2026 esse mercado deve movimentar mais de R$ 204 bilhões. A realidade mostra hoje que se as empresas alimentícias não querem perder oportunidades, elas devem se adaptar a essa tendência.

Preços ainda são um problema no Brasil

Não é novidade que Estados Unidos, Canadá, Austrália, Inglaterra, Alemanha e alguns outros países europeus levam vantagem em relação à aceitação das alternativas ao leite se compararmos com nações em desenvolvimento como o Brasil.

O motivo? Custo das alternativas aos laticínios e poder de compra. Hoje esses produtos têm mais aceitação. Porém, esbarram em preço e acesso – já que suas versões industrializadas podem custar até o dobro no caso do leite de soja, por exemplo, que ainda é a opção mais acessível das alternativas vegetais.

Ou podem custar muito mais do que isso – chegando a ser quatro, cinco e seis vezes mais caro – caso do leite de coco ou de amêndoas – este costuma ter o custo mais elevado do mercado brasileiro hoje.

Mas é claro que se as opções estão cada vez mais disponíveis nos supermercados, e com mais marcas, significa que há um crescente público consumidor. Porém, se o objetivo é desbancar a indústria de laticínios, não se restringindo às classes A e B, ainda há um importante caminho a ser percorrido – de barateamento dos custos de produção, o que depende também de menor volatilidade na oferta de matérias-primas buscando melhor precificação.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Preocupação com o meio ambiente não deve ser apenas sobre nós

É importante a conscientização sobre as mudanças climáticas e impactos ambientais associados ou não à…

59 minutos ago

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

21 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

22 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

24 horas ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

1 dia ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago