Impossible Foods já está desenvolvendo “peixe sem peixe”

“Com relação à urgência do impacto ambiental, o peixe está em segundo lugar, logo depois dos bovinos, seguido por outros animais [...]"

Brown explicou que está utilizando um tipo de levedura conhecida como heme para dar sabor de peixe ao novo produto (Foto: Impossible Foods/Divulgação)

A Impossible Foods anunciou esta semana em entrevista ao New York Times que já está desenvolvendo “peixe sem peixe” para ser um dos seus mais promissores produtos sem ingredientes de origem animal; e que possa ser uma convincente alternativa a quem ainda não se vê abdicando do consumo de peixes.

Questionado sobre a razão de investir exatamente em peixe, o CEO Patrick Brown explicou que as populações de peixes nos oceanos estão passando por uma fase que podemos definir como “esgotamento”, já que muitas espécies estão simplesmente desaparecendo em consequência do impacto da pesca comercial.

“Com relação à urgência do impacto ambiental, o peixe está em segundo lugar, logo depois dos bovinos, seguido por outros animais […] É como vejo a situação, e isso influencia a forma como pensamos sobre prioridades”, argumentou.

Na sua jornada de criar alternativas para todos os mais consumidos alimentos de origem animal, Brown revelou que está utilizando um tipo de levedura conhecida como heme para dar sabor de peixe ao novo produto – que também foi o que ajudou a popularizar o Impossible Burger, embora com significativas diferenças.

O CEO reconhece que muitas pessoas ainda não se interessam por alternativas à carne. No entanto, ele diz acreditar que se você disponibiliza mais opções, as pessoas naturalmente vão querer experimentar e de repente abandonar velhos hábitos.

A Impossible Foods não é a única trilhando esse caminho. No mês passado, a startup Good Catch Foods, também dos Estados Unidos, anunciou que arrecadou mais dez milhões de dólares por meio das empresas de investimentos New Crop Capital e Stray Dog Capital para ampliar a produção de alternativas aos peixes e aos “frutos do mar”. A empresa já havia arrecadado 9,2 milhões de dólares por meio da CPT Capital.

Com esses recursos, a Good Catch pretende abrir uma unidade de produção de 20 milhões de dólares em Ohio, com previsão de produção anual de 100 milhões de dólares em proteínas de origem vegetal.

Outra startup promissora do ramo é a BlueNalu, sediada em San Diego, que está desenvolvendo alternativas aos peixes e aos “frutos do mar” a partir de células cultivadas em laboratório. O objetivo é contribuir especialmente para acabar com a captura de camarões, lagostas, polvos, lulas e mexilhões.

1 COMENTÁRIO

  1. Se impossible foods não explorar animais e principalmente não testar em animais, que mal tem, a liberdade deve ser um direito inatingível.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here