Notícias

Mais uma pesquisa reforça futuro promissor das alternativas ao leite

Economias emergentes oferecem novas oportunidades de negócios no segmento global de alternativas aos laticínios (Foto: iStock)

Com a crescente demanda global por alternativas ao leite, a previsão para 2027 é de que esse mercado ultrapasse um valor de R$ 229 bilhões, segundo pesquisa divulgada ontem (7) pela Meticulous Research, que apresenta informações que convergem com outras pesquisas sobre o segmento e que divulgamos este ano na VEGAZETA.

O total inclui não apenas versões vegetais de leite, mas também de queijos, iogurtes, sorvetes e manteigas. Com uma taxa de crescimento anual composta de 11,2%, o segmento é um dos que mais cresce entre os produtos à base de vegetais.

“O crescimento desse mercado é atribuído principalmente ao aumento da incidência de intolerância à proteína de origem animal, benefícios nutricionais oferecidos por alimentos à base de vegetais, aumento da população vegana e investimentos de risco”, informa a empresa de pesquisa global de mercado.

Outro ponto destacado são as economias emergentes que oferecem novas oportunidades de negócios no segmento global de alternativas aos laticínios.  Em 2020, o destaque desse mercado foram os leites vegetais. No entanto, a pesquisa aponta que o maior crescimento entre as alternativas não lácteas nos próximos anos será dos iogurtes vegetais.

Maior aceitação e percepção dos produtos

Hoje não apenas a aceitação de produtos à base de soja, mas também de amêndoas tem despertado nos consumidores um novo olhar sobre as novas opções que estão surgindo, já que o consumo de um produto de origem não animal abre caminho para o interesse por outras alternativas à base de vegetais.

Em 2020, a maior aceitação desses produtos, assim como uma oferta mais diversificada, foi identificada na Europa.

“A posição de liderança da Europa é atribuída principalmente ao aumento da conscientização sobre uma dieta rica em proteínas de origem vegetal, saúde, maior crescimento da população vegana e vegetariana e maior adoção de avanços tecnológicos na indústria de alimentos e bebidas.”

A América do Norte também tem se destacado nesse segmento. Mas isso não significa que mercados de outras regiões não estão se desenvolvendo. Exemplo disso é que a pesquisa aponta um futuro promissor na América Latina. Também revela que há um grande número de pequenas empresas investindo em alternativas aos laticínios, e que para conquistarem maior projeção têm recorrido a parcerias e colaborações.

David Arioch

Jornalista e especialista em jornalismo cultural, histórico e literário (MTB: 10612/PR)

Posts Recentes

Preocupação com o meio ambiente não deve ser apenas sobre nós

É importante a conscientização sobre as mudanças climáticas e impactos ambientais associados ou não à…

42 minutos ago

Sue Coe: “Animais criados para consumo são estuprados toda vez que são inseminados”

Em um vídeo com duração de cinco minutos disponibilizado pela revista ArtForum com a artista…

20 horas ago

Santuário Filhos da Luz precisa de ajuda para não fechar as portas

O Santuário Filhos da Luz, de Tramandaí (RS), que abriga mais de 300 animais, entre…

22 horas ago

Museu Mineiro recebe festival vegano no dia 21

No domingo (21), das 11h às 18h, o festival vegano Paraíso Veg será no Museu…

23 horas ago

Consumir proteína animal é financiar um sistema perverso

No Brasil, a ordem de consumo de animais é a seguinte: frangos, suínos e bovinos,…

1 dia ago

Toda hora tem boi a caminho da morte

Um percurso de criaturas pacíficas num momento pacífico? E vão lado a lado, como se…

2 dias ago