‘Protetora de animais’ garante aprovação de PL que torna crueldade animal patrimônio cultural de Caçapava (SP)

De acordo com Mariana Zampieri, o projeto de lei foi votado e transformado em lei sem debate, sem audiência pública, sem atualizações sobre trâmite no site da Câmara e ignorando laudos e estudos

Em Caçapava (SP), uma vereadora que se identifica como ‘Telma Protetora de Animais’ conseguiu garantir a aprovação do seu Projeto de Lei 50/2022, recém-transformado em lei pela prefeita e pedagoga Pétala Lacerda (Cidadania).

A proposta de Telma Vieira (PSD) eleva provas equestres a patrimônio cultural e histórico de Caçapava e autoriza o uso de freios, bridões, hackamores, esporas e chicotes.

“Os animais são submetidos a instrumentos, esforços e movimentos que causam dor e lesões. A crueldade animal é parte dessas provas porque sem esses instrumentos de tortura não é possível realizar as provas”, informa a ativista Mariana Bedesco Zampieri, autora de um abaixo-assinado no Change.org que visa garantir apoio para derrubar a lei por meio de outra proposta legislativa. Ela também é responsável pelo projeto Crueldade Equestre e autora de dois livros sobre a crueldade no uso de animais para entretenimento. 

O PL foi aprovado com o apoio dos vereadores Adilson Henrique França, Dandara Gissoni, Maicon Goiembiesqui, Robson Paiva, Waldemir da Silva (Valeu Tadeu), Vitor Tadeu, Wellington Felipe, Yan Lopes e Rodrigo Meireles.

De acordo com Mariana, o projeto de lei foi votado e transformado em lei sem debate, sem audiência pública, sem atualizações sobre trâmite no site da Câmara e ignorando laudos e estudos.

“Ignorando também a Constituição Federal que veda práticas que submetam animais à crueldade, assim como o Regimento Interno da Câmara de Caçapava e o decreto federal que dispõe ser de competência exclusiva do Iphan declarar algo como patrimônio cultural ou histórico”, explica.

E acrescenta: “Há também o parecer contrário da procuradora da Câmara de Caçapava e decisão judicial que proíbe o uso de freios, bridões, esporas, chicotes, hackamores, gamarras e outros instrumentos que causam sofrimento aos animais nas provas equestres.”

Mariana Zampieri enfatiza que a lei foi apresentada, aprovada e sancionada para afrontar liminares obtidas em ações civis públicas que determinaram a proibição dos ‘instrumentos’ usados nas provas e que causam sofrimento aos animais.

Clique aqui para acessar o abaixo-assinado

Clique aqui para acompanhar o Crueldade Equestre no Instagram

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here