Série ‘O Mundo por Philomena Cunk’ define uso de animais para alimentação como escravidão

Disponível na Netflix, a série documental fictícia ou mockumentary ‘O Mundo por Philomena Cunk’, protagonizada pela atriz e comediante britânica Diane Morgan, que apresenta uma análise cômica e crítica da história da civilização ocidental, traz no primeiro episódio “Nos Princípios…” uma referência ao uso de animais para alimentação como escravidão.

Após alguns minutos do episódio, a personagem relata que a caça foi superada pela agricultura, quando “os primeiros agricultores começaram a cultivar trigo e depois aprenderam a assar pão”.

“Eles também plantavam cevada, ervilha e lentilha para o preparo de um hambúrguer vegano aceitável para colocar dentro do pão”, brinca a apresentadora.

“Mas, felizmente, eles não precisavam. Porque eles também inventaram isso, a cerca, um aparato tecnológico de madeira para conter animais.”

Segundo Philomena Cunk, “os humanos rapidamente escravizaram ovelhas, galinhas, cabras e seus inimigos número um – os bovinos”.

Ao mesmo tempo em que usa o humor para abordar também a realidade da relação arbitrária dos humanos com outros animais, a personagem de Diane Morgan expõe a cômoda redução de animais a bens e produtos, que devem ser mantidos em um espaço para que possamos fazer o que quisermos com eles.

“As fazendas ficaram muito parecidas com zoológicos, mas em um zoológico não se pode escolher um animal para matar e comer, a menos que o zoológico tenha dificuldades financeiras.”

Nessa passagem que explicita uma crítica sobre o aprisionamento de animais, que, em espaço variável, é intrínseca à pecuária e outras práticas voltadas à criação de animais para consumo, Philomena Cunk também referencia um fato que já tornou-se notícia em jornais, o que também é citado no livro “Domínio”, do escritor estadunidense Matthew Scully.

Ou seja, que há zoológicos que matam animais ou os vendem para que sejam mortos ou disseminados artificialmente em um espaço privado de caça com o objetivo de reduzir despesas ou “levantar recursos”.

“Os humanos transformaram os animais que não eram comidos ou montados em animais de estimação, se fossem fofos o bastante”, continua Philomena Cunk, que nessa passagem resume de forma crítica nossa relação instrumentalista com diversas espécies – de exploração para consumo ou outro fim que consideramos conveniente.

Jornalista (MTB: 10612/PR), especialista em jornalismo cultural, histórico e literário e mestre em Estudos Culturais (UFMS).

2 respostas

  1. O documentário ainda está disponível? E ele tem legenda em português? (imagino que o áudio seja só em inglês, já que a atriz e protagonista é britânica)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *