Tolstói imaginava os animais livres do transporte de cargas

Ele vislumbrou um cenário em que animais não sofreriam em decorrência de um esforço físico em benefício humano

O escritor russo ficou eufórico quando soube que máquinas estavam sendo desenvolvidas com o propósito de livrar os animais do transporte de cargas e do arado (Pintura: Ilya Repin)

Em 1887, Stepan Behrs registrou em uma carta que Tolstói, seu cunhado, ficou eufórico quando soube que máquinas estavam sendo desenvolvidas com o propósito de livrar os animais do transporte de cargas e do arado. Ele vislumbrou um cenário em que animais não sofreriam em decorrência de um esforço físico em benefício humano que custasse a redução de suas expectativas de vida. Isso foi há 132 anos. Saiba mais sobre Tolstói e à crítica a exploração animal e exaltação do vegetarianismo – clique aqui.

Referência

Christian, R.F.. Tolstoy’s Letters: Volumes I & II. Charles Schriber’s Sons (1991).

1 COMENTÁRIO

  1. Agora com a corrida para a riqueza, e tão somente, estamos ficando mais ignorantes que os antigos, em se tratando com o meio ambiente, clima e generosidade com os animais, e uns com os outros, que fenômeno seria, se até os céus, sempre interferiram, houve uma mudança de paradgmas, já no Velho Testamento, sobre os sacrifícios de animais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here