Pesquisar
Close this search box.

Documentário conta história de mulher que ajuda pecuaristas a transformarem suas propriedades em fazendas e santuários veganos

Lançado em janeiro pela We Animals Media, o documentário de curta-metragem “Transfarmation” conta a história de Sarah Heiligtag, uma mulher suíça que ajuda pecuaristas a transformarem suas propriedades em fazendas e santuários veganos.

O filme com duração de 15 minutos dirigido por Thomas Machowicz e Sabina Diethelm está disponível no canal da We Animals no YouTube e visa enviar uma mensagem inspiradora sobre as possibilidades de transição de um negócio baseado na exploração e matança de animais para um negócio mais compassivo.

O documentário apresenta Sabina trabalhando diretamente com fazendeiros que buscam uma relação diferente com os animais. Segundo Thomas, nunca é cedo demais para exemplos de mudanças positivas.

“Vemos as coisas que sentimos que precisam ser mudadas, mas exemplos positivos de mudanças em larga escala nem sempre são tão óbvios. Espero que as pessoas possam ver e sentir o problema e a solução simultaneamente, sentir a dor que esses animais e fazendeiros sentem, mas também um sentimento de compaixão, porque desenvolver esse sentimento pode ajudar a trazer mudanças duradouras e sustentáveis.”

Sabina endossa o pensamento de Thomas e acrescenta: “Espero que outros pecuaristas que estão na mesma situação vejam que há uma alternativa viável, que permite que eles mantenham a fazenda, ainda trabalhem na agricultura, mas sem usar e abusar de animais.”

Uma das mais importantes mensagens do filme é que se as pessoas querem deixar de explorar animais, isso é possível com o empenho certo. E se é possível para outros, por que não tentar?

Thomas Machowicz é um fotógrafo documental e filmmaker com um trabalho direcionado a questões sociais e envolvendo resgate de animais.

Sabina Diethelm é uma fotógrafa e jornalista freelancer baseada em Winterthur, na Suíça, que hoje também atua com fotografia documental.

Jornalista (MTB: 10612/PR) e mestre em Estudos Culturais (UFMS).

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *