Número de veganos no Reino Unido pode crescer 327% até 2020

Número de veganos no Reino Unido pode passar de 681 mil para 2,9 milhões até 2020

Entre os jovens que não consomem carne, 44% afirmaram que a principal motivação é ser “mais gentil com os animais” (Foto: PETA UK)

De acordo com uma pesquisa realizada e divulgada pela plataforma Finder, o número de veganos no Reino Unido pode crescer 327% até 2020.

Considerando uma análise que contou com a participação de duas mil pessoas, a plataforma concluiu que se os residentes no Reino Unido cumprirem suas promessas de mudanças alimentares e adoção de novas filosofias de vida, o número de veganos pode passar de 681 mil para 2,9 milhões até 2020.

A Finder observou também que se por enquanto há muitas opções de produtos especificamente veganos que não são tão acessíveis, isso deve mudar com o crescimento do número de pessoas se abstendo do consumo de alimentos de origem animal – o que deve refletir em uma avaliação geral em mais restaurantes e supermercados se voltando cada vez mais para esses consumidores.

Já uma pesquisa conduzida pela empresa de produtos vegetarianos Linda McCartney Foods revelou que 70% dos britânicos na faixa etária de 8 a 16 anos querem mais opções veganas e vegetarianas nas escolas. A conclusão é baseada em um questionário respondido por mil jovens.

Entre os jovens que não consomem carne, 44% afirmaram que a principal motivação é ser “mais gentil com os animais”. Já 31% apontaram em primeiro lugar a preocupação com o meio ambiente, seguido por 19% que justificaram a abstenção como sendo uma questão de saúde.

Seguir uma dieta sem carne e outros alimentos de origem animal é caro? Não, caro é se alimentar de carnes e laticínios, segundo outra pesquisa encomendada pela marca Linda McCartney Foods, que entrevistou milhares de adultos no Reino Unido.

De acordo com o relatório, os consumidores do Reino Unido que reduziram ou cortaram o consumo de carne nos 12 meses de 2018 economizaram juntos 2,8 bilhões de libras esterlinas em 2018, o equivalente a mais de 13 bilhões de reais.

O estudo também concluiu que se a tendência da redução e abstenção do consumo de alimentos de origem animal prosseguir no mesmo ritmo no Reino Unido, a previsão é de que pelo menos o número de pessoas que não comem carne ultrapasse o número de pessoas que comem em 2023.

Outra pesquisa que mostra mudança de hábitos dos consumidores no Reino Unido foi conduzida pela marca alimentícia belga Alpro, revelando que 48% dos britânicos já preferem café com leite de origem vegetal em vez de café com leite de origem animal, e principalmente quando consomem café fora de casa.

Segundo a chefe de marketing da Alpro do Reino Unido, Abbie Hickman, é uma boa oportunidade para as cafeterias e outros estabelecimentos comerciais que oferecem bebidas quentes investirem em mais opções não lácteas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here